sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Um copo cheio de noite

Um corpo cheio de luz

Cigarros.

O que escrevo?

Esquece, que a hora é agora

Vozes que vem de dentro? Ou de fora?

Vozes que são o agora. Ou parte. Do todo.

Calada a noite esconde o horizonte

Mas não esconde tua luz, corpo

Não esconde a demora da hora

O cigarro que acende

A mão que devora,

A luz, escorre pela parede clara

Andaluz

Anda

Luz

zzzzzzzzzzzzzz.